Inventos ridicularizados que deram certo

31/08/2015 07:09
Inventos ridicularizados que deram certo



Personalidades famosas da história da humanidade, a exemplo do físico Albert Einstein e Winston Churchil, ex-primeiro-ministro britânico, e jornais de peso como o The New York Times, desacreditaram invenções que acabaram sendo um sucesso nas áreas detecnologia, comunicação, aviação, guerra e outras. 
Confira:

Computadores e tecnologia
“Não há razão para que alguém queira ter um computador em casa”. Ken Olson, presidente e fundador da Digital Equipment Corp, fabricante de computadores mainframe computers, discutindo os computadores pessoais, em 1977.
“Mas… para o que serve isso?” Robert Lloyd, executivo da IBM, sobre o microprocessador, em 1968.
“Na medida em que uma calculadora no ENIAC é equipada com 18 mil tubos de vácuo e pesa 30 toneladas, os computadores do futuro deverão ter apenas mil tubos de vácuo e pesar 1,5 mil toneladas”. Revista Popular Mechanics, em 1949.
“Eu viajei por todos os cantos deste país e conversei com as melhores pessoas, e posso assegurar a vocês que o processamento dedados é uma moda e não vai durar até o final do ano”. Editor responsável por livros de negócios da Prentice Hall, em 1957.
“O potencial mercado de máquinas de cópia é de, no máximo, cinco mil (unidades).” Da IBM, para os eventuais fundadores da Xerox, dizendo que as fotocopiadoras não teriam um mercado tão grande que justificasse a sua produção, em 1959.

Internet e comunicação por satélite
“A transmissão de documentos por cabos de telefone é possível, em princípio, mas o aparato requerido é tão caro que nunca irá se tornar uma proposta prática”. Dennis Gabor, físico britânico e autor de Inventing the Future, em 1962.
“A compra à distância, apesar de ser completamente possível, irá fracassar porque a mulher gosta de sair de casa, segurar a mercadoria, gosta de estar apta a mudar a sua intenção”. 
Revista Time, descartando as compras online antes mesmo de se ouvir falar nelas, em 1966.
“Não há praticamente nenhuma chance dos satélites espaciais de comunicação serem usados para prover melhores serviços detelefone, telégrafo, televisão ou rádio dentro dos Estados Unidos”. 
T. Craven, membro do conselho da Comissão Federal de Comunicações dos Estados Unidos, em 1961 (o primeiro satélite comercialde comunicações entrou em serviço em 1965).
Telefone
“O telefone tem muitas desvantagens para ser considerado, seriamente, um meio de comunicação. O aparelho não tem valor para nós”. Memorando da Western Union, entre 1876 e 1878.
“Os americanos têm necessidade de telefones, mas nós não. Temos um monte de mensageiros”.Sir William Preece, engenheiro-chefe da Escritório Postal Britânico, em 1878.
“É uma grande invenção, mas de qualquer forma, quem iria usar isso?” Rutherford B. Hayes, presidente norte-americano, depois da demonstração do telefone de Alexander Bell, em 1876.

Televisão e cinema
“A televisão não vai durar. É uma tempestade num copo d’água”. Mary Somerville, pioneira em radiodifusão educacional, em 1948.
“A televisão não vai durar porque, logo, as pessoas irão ficar cansadas de olhar para uma caixa de madeira todas as noites”. Darryl Zanuck, produtor de cinema da 20th Century Fox, em 1946.
“Quem diabos deseja ouvir os atores falando?” H. M. Warner, co-fundador da Warner Brothers, em 1927.
Rádio e música
“O rádio não tem futuro”. Lord Kelvin, matemático e físico, em 1897.
“A caixa de música sem fio não tem valor comercial imaginável. Quem pagaria para uma mensagem enviada para ninguém em particular?” Associados de David Sarnoff, respondendo a um pedido de investimento para o rádio, em 1921.
“O fonógrafo não tem nenhum valor comercial”. Thomas Edison, inventor norte-americano, nos anos 1880.
Automóveis
“O cavalo está aqui para ficar, mas o automóvel é apenas uma novidade, uma moda”. Presidente do banco de Michigan, alertando o advogado de Henry Ford para não investir na montadora, em 1903.
“Que o automóvel praticamente chegou ao seu limite é confirmado pelo fato de que, nos últimos anos, nenhum aprimoramento radical foi introduzido.” Revista Scientific American, em 1909
“A ‘carruagem sem cavalo’ normal é, no momento, uma luxuria para os ricos, e por causa do seu preço, provavelmente vai falhar no futuro. Com certeza, jamais se tornará tão comum como a bicicleta”. 
Literary Digest, em 1899.
Aviação
“O homem não irá voar em 50 anos”. Wilbur Wright, pioneiro da aviação, ao irmão Orville, depois de uma tentativa fracassada devoar, em 1901 (os dois norte-americanos obtiveram sucesso em 1903).
“Máquinas de voar mais pesadas do que o ar são impossíveis”. Lord Kelvin, matemático, físico e presidente da Sociedade Real Britânica, em 1895.
“Aviões são brinquedos interessantes, mas não têm valor millitar”. Marechal Ferdinand Foch, professor de estratégia da Escola Superior de Guerra da França, em 1904.
“Jamais será construído um avião grande”. Engenheiro da Boeing, depois do primeiro vôo do modelo 247, que tinha motor duplo e transportava 10 pessoas.

Outros temas
“Tudo que pode ser inventado já foi inventado”. Charles H. Duell, oficial do escritório de patentes dos Estados Unidos, em 1899
“Qualquer um familiarizado com o assunto vai reconhecer isso como um evidente fracasso”. Henry Morton, presidente do Institutode Tecnologia Stevens, sobre a lâmpada elétrica de Thomas Edison, em 1880.
“Um foguete jamais será capaz de deixar a atmosfera da Terra”. Jornal New York Times, em 1936.
“A energia atômica deve ser tão boa como os explosivos de hoje, mas é improvável que produza algo muito mais perigoso”.Winston Churchill, primeiro-ministro britânico, em 1939.
“Não há a menor indicação de que a energia nuclear será obtida. Isso significaria que o átomo teria que ser rompido no futuro”.Albert Einstein, em 1932.